Casas com memórias: qual a nossa relação com elas?

Por WBK Comunicação

Casas com memórias

Segundo Le Corbusier, renomado arquiteto do século XX, “a casa é uma máquina de morar”. Mas, além de uma máquina funcional, o que faz o abrigo se transformar em um lar são as memórias construídas ali, ou mostradas no local a partir de outras vivências.

Sem dúvidas, quando a nossa casa possui marcas do que há em nosso coração, ela se torna muito mais do que uma construção habitacional, mas sim o local que traz sentimentos de pertencimento, aconchego e repouso.

Por isso, o modo de encarar, projetar, decorar e organizar a casa diz muito sobre a sensibilidade de quem o faz, mostrando que a arquitetura tem um papel fundamental neste processo de leitura e materialização. Mais do que o sentimento de quem projeta, precisa estar presente no local o sentimento de quem ali vai viver e usufruir do espaço. Vale a pena ter cuidado no momento de personalizar um lar, sem transformá-lo num local que mais parece um acervo formal de memórias e experiências. Confira!

O que fazer com as memórias?

Nem toda casa transmite uma história e as memórias de quem vive nela. As construções antigas trazem à tona a histórias de seus tantos moradores, que muitas vezes se tornam uma memória cultural e local. Mas, e os novos lares, como se comportam se não carregam uma história?

Edificações históricas, trazem por si só elementos sensoriais muito expressivos. Neste caso, muitas memórias podem ser apreciadas por visitantes, bem como outras devem ser construídas a partir de suas próprias experiências e vivência no ambiente.  

Porém, e as memórias dos atuais familiares? Cada família tem seus hábitos, algumas fazem questão de serem transmitidos de geração em geração através de objetos de decoração e itens com valor simbólico, que podem ser vasos, quadros, fotos e livros, ou ainda hábitos que acabam por refletir na configuração espacial da residência.

E a de se lidar com esses itens com muito carinho, elementos de valor afetivo, quando enaltecidos, podem ser usados para trazer personalidade e história, seja qual for o estilo de um ambiente.

Vale ressaltar que, tão importante quanto as memórias herdadas, são as memórias pessoais, construídas ao longo do tempo, que podem estar refletidas nos ambientes da casa. Mas é importante sempre questionar o usuário final do espaço, pois é muito diferente montar uma casa para uso pessoal e familiar ou para aluguel, por exemplo.

Uma prova disto é o “home staging” que tem o objetivo de melhorar as casas e “despersonificar”, antes de vender ou alugar.

Arte em forma de memória

A vida respira e transpira arte. Há quem diga que não aprecia, mas, na verdade, só não percebeu ainda o quanto essa forma de expressão está presente nas nossas rotinas.

A arte também tem seu papel essencial na composição de um ambiente, seja através de quadros, telas, paredes, esculturas, fotografias, ou mesmo um bom projeto que prevê a janela emoldurando uma linda paisagem, a forma como a dança da vida acontece na rotina da casa, todas as expressões de arte estão incorporadas ao lar.

Vale a pena até se amarrar aos modismos e tendências, quando se trata de personalidades dinâmicas que gostam de mudanças, de ambientes que permitem flexibilidade e assumem novas funções temporárias.

Cada um tem seu jeito de usar a arte em favor do bem-estar, seja Romero Britto ou Vincent van Gogh, seja original ou feito por si mesmo, uma tia ou avó. Arte é arte! É vida, é emoção instantânea transmitida por elementos, como o clique de uma foto porta retrato, é riso solto, é vida leve.

Artes que trazem boas lembranças, sensações ou pensamentos, podem ser grandes aliadas em uma casa para refletir a personalidade do dono. A singularidade trazida por esses objetos pode tornar o ambiente único e original.

Muitos arquitetos, ao trabalhar em projetos de reforma e melhorias, decidem manter itens como as texturas das paredes ou revestimentos coloridos, antes escolhidos pelos avós, por exemplo, preservando memórias familiares importantes.

Criar um cômodo de memórias ou espalhar objetos em pontos específicos da casa é sempre uma boa maneira de levar a arte para a vida, vale a pena sempre perguntar ao cliente. A construção do verdadeiro lar está baseada no significado e na história da escolha de cada objeto e item de decoração. Ou pelo menos alguns deles.

Cada cômodo de uma casa possui sua própria história e autenticidade, refletindo a personalidade dos seus moradores. Quando personalizada pela família, a casa passa a ter sua própria alma, além de ser uma extensão saudável da vida dos seus moradores.

Memórias olfativas

Você possui alguma memória olfativa? O cheiro do café, areia molhada, a madeira do chão, essas memórias também existem e devem fazer parte da construção e projeto de um lar!

A casa pode ter uma fragrância que faz parte da história de quem ali vive. Caso o uso dos materiais específicos não sejam viáveis, um bom paisagismo, floração nas diferentes épocas do ano, vasos de planta como lavanda, alecrim, manjericão em casa, velas aromáticas, incensos e difusores podem ser grandes aliados.

Além de sensações nostálgicas, a aromatização também pode ser terapêutica e relaxante, trazendo ainda mais benefícios durante seu processo de construção do lar.

Por fim, abrimos aqui uma reflexão sobre o morar de verdade e de como este assunto deve ser levado em conta nos projetos arquitetônicos para que os mesmos tenham mais personalidade, alma, vida e memórias.

A casa é um reflexo da alma

Já parou para pensar que o modo como a casa é organizada, bem como a disposição dos objetos, reflete a fase da vida que estamos passando? De fato, fases turbulentas e confusas tendem a apresentar um lar confuso, onde nada parece se encaixar. Por isso, uma boa maneira de superar uma fase difícil é iniciando a arrumação da casa.

As cores são coadjuvantes nessa cena. Um ambiente onde a paleta de cores orna e consegue transmitir ou conduzir uma emoção, faz com que esse local deixe de ser apenas paredes, chão e teto decorado,  passa a ter alma.

Ambiente com personalidade própria? O que diríamos de um banheiro que pode respirar e falar tão bem quanto uma explicação sobre o que ali foi aplicado? Genialidade! As cores têm o poder de comunicar muitas coisas e podem ser ferramentas que levam além, para criar conversas e explicações de ambientes com alma. Seja ela única ou espelhada no cliente ou em uma memória. Já parou para olhar para a sua casa? Como estão as suas escolhas?

Confira os melhores momentos das palestras que marcaram a 2ª edição do Connectarch Summit

A 2ª edição do Connectarch Summit, maior evento digital de arquitetura e design, aconteceu nos dias 10, 11 e 12 de agosto e reuniu grandes referências do segmento além de experts em tecnologia, comportamento, inovação, criatividade e outros temas ligados à atualidade.

Futuros Possíveis, foi o tema que norteou as palestras do segundo dia (11) que teve a participação do doutor em Cosmologia Luiz Alberto Oliveira, da futurista Daniela Klaiman e da cientista especializada em pesquisa e comportamento de consumo, Andrea Bisker, em um painel e, ainda, Lisiane Lemos, Forbes Under 30 em 2017 e uma das principais lideranças jovens do país, e um dos nomes mais importantes da arquitetura internacional, Dror. Os comentários ficaram por conta do arquiteto Nicholas Alencar. 

O doutor em Cosmologia Luiz Alberto Oliveira abriu a noite de palestras falando sobre “Futuros incertos, possíveis, desejáveis”. Luiz trouxe reflexões sobre as incertezas e como tais percepções podem ser cruciais para o futuro. “A única certeza que teremos é que o incerto irá ocorrer e nos encontraremos com ele”. 

Confira os melhores momentos da palestra de Luiz Alberto Oliveira:

O tema ‘Future in Motion’ foi abordado pela futurista Daniela Klaiman e pela cientista especializada em pesquisa e comportamento de consumo, Andrea Bisker, à frente da Spark: off Brasil. Em total consonância, ambas afirmam que os futuros não existem, pois nós os fazemos hoje e com base no conceito de ‘protopia’ – que não é o futuro perfeito, mas o futuro que nós construímos agora.

Confira os melhores momentos do painel:

Fechando a noite de palestras, um dos nomes mais importantes da arquitetura internacional, Dror, abordou o tema “The future of ecological harmony”. O designer, pensador, inventor e futurista, cuja engenhosidade resulta em uma gama impressionante de trabalhos não convencionais comoventes, afirma que “é preciso trabalhar através de várias disciplinas, pois o mundo está mudando, de novo”.

Confira os melhores momentos da palestra de Dror:

Confira os melhores momentos das palestras que marcaram a 2ª edição do Connectarch Summit

A 2ª edição do Connectarch Summit, maior evento digital de arquitetura e design, aconteceu nos dias 10, 11 e 12 de agosto e reuniu grandes referências da arquitetura, design, comportamento, inovação, criatividade e outros temas ligados à atualidade.

O primeiro dia teve a participação dos arquitetos Sarkis Semerdjian e Fernando Forte; estilista Ronaldo Fraga e futurista Peter Kronstrøm, falando sobre o tema “Mentes Criativas”, com comentários de Pedro Ariel, curador da CasaCor. 

Sarkis Semerdjian, do escritório Pascali Semerdjian Arquitetura, falou sobre “Processos” e mostrou que cada etapa da criação ocorre de uma maneira diferente, porque todas são muito particulares, especialmente pela situação em que são vivenciadas.

Confira os melhores momentos da palestra do arquiteto Sarkis Semerdjian:

O futurista Peter Kronstrøm, abordou o tema: “Future Connect – Transformações Contínuas – Estudos futuros” com a abordagem de que “o futuro sempre pode ser muito mais maluco do que possamos imaginar”, por isso, os estudos futuros servem para nos ajudar a tomar atitudes inovadoras hoje.

Confira os melhores momentos da palestra do futurista Peter Kronstrøm:

“Arquitetura Plural” foi o tema do arquiteto Fernando Forte, que mostrou que a arquitetura é intimamente ligada à vida e às atividades das pessoas e que, portanto, em sua vida profissional, ele tenta levar um pouco de gentileza urbana à cidade.

Confira os melhores momentos da palestra do arquiteto Fernando Forte:

Para finalizar, o estilista Ronaldo Fraga abordou “O design de moda como crônica de um país”, enaltecendo a contribuição de Lina Bo Bardi para a arquitetura e o design brasileiro e, referenciando o livro “O turista aprendiz”, de Mário de Andrade, no qual o escritor faz um relato de suas aventuras de viagem desbravando os rincões do Brasil. A influência foi tanta que ele se propôs a seguir o estilo de vida do poeta para poder viajar pelo país.

Confira os melhores momentos da palestra do estilista Ronaldo Fraga:

O Connectarch Summit é uma realização do Connectarch, o programa de relacionamento da Decortiles.

REVESTIMENTOS SÃO PROTAGONISTAS EM PROJETO DE LAVABO SUNTUOSO

Com aparência de pedras naturais, os revestimentos Ônix Azul Polido e Pérola Polido atraem todas as atenções neste lavabo que prioriza a sofisticação, sem deixar a praticidade de lado

lavabo
Placas de distintos tamanhos do revestimento Ônix Azul Polido, da Decortiles, dispostas de forma assimétrica servem de base para a bancada da pia deste banheiro, que foi desenvolvido pelas arquitetas Cândida Cabral e Caterine Cabral para a Mostra Fabricatto 2021 (Foto: Rogério Maranhão)

Comandando pelas irmãs Cândida Cabral e Caterine Cabral, o escritório Cabral Arquitetos & Co, de Maceió (AL) se inspirou na arquitetura árabe, com toda a sua suntuosidade e charme, para produzir este lavabo. O ponto de partida de toda a atmosfera elegante foram a cor dourada, que faz alusão à fortuna e ao glamour do ouro, e os mosaicos, que neste ambiente foram desenvolvidos com os revestimentos Ônix Azul Polido e Pérola Polido, da Decortiles.

“No piso, os porcelanatos da Decortiles fizeram as vezes de mosaico. E, na bancada, eles aparentam ser uma escultura.  A torneira de teto, a louça dourada e outros metais nesta mesma tonalidade pontuam o moderno e o atemporal do ouro. Para dar claridade e aconchego ao lavabo, utilizamos também uma textura acetinada em tom claro e leve”, explica Cândida Cabral.

Um dos destaques do lavabo são os mosaicos criados com os revestimentos Decortiles. (Foto: Rogério Maranhão)

Para este espaço de pouco mais de 5m2, que é um dos destaques da Mostra Fabricatto 2021, as arquitetas pensaram em um lavabo funcional e confortável como uma sala de banho, que remetesse à imponência e ao majestoso. “Conseguimos criar essa sensação de grandiosidade através do pé direito alto do ambiente e com a utilização de peças que enchem os olhos, como o lustre clássico em tons de ouro e os dois grandes espelhos ovais, além dos revestimentos da Decortiles, com os quais ficamos encantadas pelas cores e que logo vimos que tinham tudo a ver com o que nós queríamos transmitir, que era a aparência de mosaicos de mármore no nosso piso, rodapé e bancada”, pontua a arquiteta Cândida Cabral.

Sobre os acabamentos Decortiles utilizados neste projeto

Em uma fusão entre meio ambiente e tecnologia, a Decortiles deu origem a um tom exclusivo para o porcelanato ônix Azul Polido, que foi inspirado na pedra natural. O revestimento chama a atenção por contar com o que há de mais inovador em termos de tecnologia da impressão digital HD, garantindo uma tonalidade encantadora. Aqui, neste projeto, a peça ficou ainda mais em evidência ao ser combinada com o acabamento Pérola Polido, que também aparece no mosaico do piso. Para saber mais sobre as soluções da Decortiles, acesse: www.decortiles.com.

DW! + DECORTILES: OS DESIGNERS QUE ASSINAM A EXPOSIÇÃO NOVOS TEMPOS

Novos Tempos é a materialização da ousadia e da criatividade. É o porcelanato tornando-se mais que revestimento, tornando-se mobiliário exclusivo. Do desenho à mão, passando por processos altamente tecnológicos e minuciosos de beneficiamento de lastras, nasceu a exposição que apresenta a cerâmica em todas as suas possibilidades

A criação é de 10 designers brasileiros que se atreveram e fizeram nascer uma seleção singular de mobiliários em porcelanataria. Seis deles criaram a partir de peças da Decortiles, transmitindo ideias e um forte conceito particular, inspirando o uso criativo e atrevido do porcelanato. 

Conheça os criativos por trás das peças da exposição:

emDoïsdesign

Com distintas experiências acadêmicas e profissionais anteriores, os designers Mariana Betting e Roberto Hercowitz, ao formarem a emDoïsdesign, perceberam que tinham olhares e atividades complementares, uma característica até hoje percebida em seus trabalhos. O estúdio encontra identidade na experimentação de formas, materiais e tecnologias. Com traços contemporâneos suas criações aliam utilidade e estética, e têm sempre como alvo a estreita interação, funcional e afetiva, entre peça e usuário.

O mancebo Boas-Vindas traz o conceito de uma percepção diferente da vida cotidiana e nossas necessidades. A peça traz o porcelanato Basco12 PO 162x324cm como elemento funcional para deixar sapatos, carteira, chaves e outros itens pequenos na bandeja de apoio, casaco no gancho superior e ainda ajuda nos últimos retoques na produção na hora de sair de casa, através do espelho frontal.

Alexandre Brunato

Alexandre Brunato é a mente criativa por trás do Estúdio Brunato, escritório de arquitetura e design de São Paulo. Coleciona inúmeros projetos nas áreas corporativas do setor da construção civil e acabamentos. Com olhar atento às artes, culturas, poesia e fotografia, desenvolve projetos com afetividade. Brunato é também o arquiteto que assina o projeto da Casa Brasil, mais que um showroom, um espaço em conexão com a natureza e em constante harmonia com a vida urbana da cidade de São Paulo. 

Desse observar dos espaços nasceu a ideia de Mesa da Figueira, peça que se molda a diversos espaços, de forma única ou em conjunto, e que é o morar das plantas, companhia acolhedora dos novos tempos em varandas, quartos, quintais e salas. A abertura para o verde abriu também os horizontes para uma criação a partir de grandes peças de porcelanato – Ágata Fendi NA 90x90cm e Puro 15 Oliva 80x160cm

Já para a criação da Mesa Grid, a inspiração veio de linhas e grafismos, traços bem presentes do desenho arquitetônico universal e também são encontrados na criação de Alexandre Brunato. Peça protagonista aliando o porcelanato Petróleo AC 160x320cm ao aço carbono da base, leva o conceito da verticalização, elemento que liga terra e céu. 

Aristeu Pires

Reconhecido como um dos grandes nomes do design brasileiro, Aristeu Pires construiu ao longo de 15 anos uma reputação forte no mercado nacional de móveis. A influência subliminar de Oscar Niemeyer é presente nas criações do designer, inundado pelas curvas e suavidade. Projetando para si mesmo, cria para outros, pensando em móveis que unem o design à funcionalidade.

Mesas Zaha nasceu de rabiscos à mão e de uma transformação de ideias – banco, mesa lateral, mesa de centro – uma composição que surge inspirada nas linhas orgânicas de Zaha Hadid. A peça – que vai além, é multifuncional – alia a matéria-prima principal de suas criações, a madeira, e ousa na inserção do porcelanato – Petróleo AC 160x320cm, Calacatta 120x240cm, Black Marmo 120x240cm e Resina Bege AC 120x278cm – material que permite novas ideias e experiências. 

Fahrer Design

Fahrer é um estúdio de design de mobiliário autoral que cria projetos residenciais e corporativos para ambientes internos como externos. Sua expressão criativa é composta pela soma dos olhares, das ideias contestadoras e complementares, e do traço preciso e fluido dos designers Sergio Fahrer, Jack Fahrer e Heloisa Samaia. O resultado são peças autênticas, que dialogam com o seu contexto, contam histórias e transitam entre as narrativas conceituais, inspiracionais e interpretativas de sua produção.

Assim é Geo, um banco formado por dois triângulos justapostos e espelhados. As linhas geométricas puras foram a base e a inspiração para a construção da peça, revestida com dois modelos contrastantes de porcelanato – Petróleo AC 160x320cm e Nero Antico PO 160x320cm. O pequeno distanciamento entre os triângulos desperta curiosidade ao olhar do observador. 

Rodrigo Almeida

Rodrigo Almeida é designer de mobiliário e interiores. Natural de São Paulo, faz parte de uma nova geração de grandes talentos do design brasileiro, e já ganhou o mundo expondo em galerias de Milão e Paris. No Brasil desenvolve produtos em escala industrial para grandes marcas. A característica principal do designer é o experimentalismo permitindo-se ser instigado por novas aplicações e novos materiais. 

Cadeira Camuflada é resultado disso, uma dimensão menos linear e industrial, mais próxima de um feitio artesanal e contemporâneo. A irreverência urbana que transforma e reinterpreta códigos como os das estampas militares é a inspiração. Com uma estrutura de madeira maciça, estofamento em tecido e revestimento cerâmico – Puro 15 Oliva –, mimetiza materiais, texturas e estampas incomuns na produção de mobiliário em uma estética contemporânea e urbana. 

Ronald Sasson

O curitibano Ronald Sasson se relaciona com o design desde a adolescência na elaboração de projetos experimentais. Aos 18 anos, já em Paris, mergulhou nas artes plásticas, mas foi no design, de forma autodidata, que descobriu como unir a base artística autoral com as possibilidades industriais. Hoje, acumula mais de 30 prêmios internacionais. 

Como homenagem ao arquiteto português Álvaro Siza criou para a Decortiles a Poltrona Siza, feita em chapas multilaminadas de carvalho ebanizado e do porcelanato Petróleo AC 160x320cm. Inspirada no Museu de Arte Moderna de Porto Alegre, leva o conceito angular de módulos flutuantes encaixados e sobrepostos. 

A exposição Novos Tempos tem curadoria de Regina Galvão, direção técnica de Alexandre Brunato e apoio técnico de Andressa Sant’anna. É uma das principais atrações do DW! Semana de Design de São Paulo, que permanece até o dia 15 de novembro na Galeria Decortiles, em São Paulo. 

Assista ao vídeo e conheça a ex´posição: